quinta-feira, 21 de junho de 2018

Poker

Viva Pessoal.
Mais uma faina aqui narrada, para entretém,  fazer sonhar ou dar pica a alguém para uma próxima pesca.
Um dia solarengo em finais de época robaleira, eu e o meu amigo Mário, rumamos a uma praia famosa e com muitas historias já ouvidas de tal local, como em todo os pesqueiros há sempre aquele bocado de areia que não vale nada, o tal que ninguém quer, malta a montes, e espaço a farta para nós.
Aterrei num agueiro gigante quase sem água, mas a maré ia encher e parecia que aquilo tinha bom aspeto.
 Como já tem vindo a ser habito, se puder monto uma cana antes do sol bater na água, com uma isca à homem, como já aqui referi, tenho apanhado lindos peixes na hora mágica.
Coisa rápida, 0,50 lá para dentro com um bom anzol, mesmo no agueiro forte, vi que a chumbada se aguentava e balanceava para um lado e par ao outro mantendo a linha esticada, pensei para mim "perfeito, agora é só entrar um cabeçudo no agueiro ao Pôr do Sol"
Viro costas, joelhos na areia a esticar e preparar as outras canas, quando oiço o carreto a cuspir linha, olho para trás e cana dobrada, olho para o agueiro e vejo um robalo a debater-se a tona de água, bem que imagem e que picada, que certamente nunca vou esquecer, pensei de ser um macaco XXl, devido ao aparato.
 
Um lindo robalo que depois de alguma luta, já estava pronto para foto antes do sol se por na água, peixe quase com 3 quilotes, tinha a pesca já meia feita, Vinha no caminho a dizer ao Mário que queria ter uma cana dentro de água antes do sol se pôr e mais uma vez fui brindado.
 
 
A noite caiu e peixe nada, nem tocavam na isca, a maré ia subindo a noite ia ficando fria "como gosto" quando é assim tenho sempre muita fé de aparecer peixe grande, também é para isso que eu pesco nesta altura, ganhei o jeito e não me tenho dado mal.
Nisto apanho um robalo quileiro e a coisa ia animando, poucos mas bons tal como se quer, já com quatro horas de pesca, sai um sargo numa isca de robalo, o magano estava com fome e teve boca para aquilo, lindo peixe com 1,300Kg
 
O Mário ia trabalhando mas sem sucesso, esta época eu estava imparável, depois de um começo complicado e suado, com muitas horas sem uma escama, andava com sorte, que tanto trabalhei e procurei.
Era meia noite e o Mário já cansado veio ter comigo para arrumar-mos o material, eu pedi-lhe mais meia hora, ia começando a desmontar cana a cana nas calmas, pois era dia de trabalho bem cedo daqui a umas horas, a maré já descia novamente e o mar ganhou tal força que era difícil de passar as ondas que quebravam lá fora, quando tenho uma visão, num set de ondas tinha uma cana a vergar e a sacudir continuamente, com uma violência tal, que me fez arrancar areia fora para  a segurar.
Não há palavras para o resto, para virar o macaco para terra tive mesmo que fechar o Drag quase todo e começar a ensinar-lhe o caminho oposto do mar, depois de virar sentido, abri ligeiramente o Drag para uma fugida não esperada por mim e foi rebocar o magano até a escoa forte .
Como os meus chicotes sã feitos por mim e são de 0,50, ao sentir o nó a passar no primeiro passador, é ganhar ali 4 a 5 metros é rezar para não  se desferrar na escoa, com corridas vai e vêm a acompanhar o mar, que loucura, em plena noite escura.
Mais um robalão de peso esta época, para meu contentamento.
 
O sargo no dia seguinte, foi logo escalado para o forno.
Pode-se dizer que fiz um Poker com este quarto peixe, que totalizou um pouco mais de 10Kg de peixe, não se pode pedir mais ao mar:)
Não foi o dia do Mário, eu estava com a leiteira toda mais uma vez, mas não se preocupem que ele no dia seguinte vingou-se, eheheheheheh.
Fiquei com postas para a caldeira a montes:) como gosto
 Boas fainas
 


sexta-feira, 1 de junho de 2018

Saber aguentar

Ola pessoal, estou de volta e para relatar uma pesca, que apesar de não apanhar um peixe record ou um grande tarolo daqueles que faz um gajo ficar especado a olhar para ele, foi a pesca que me deu mais gozo este Inverno.
Apesar da noite estar amena no começo da faina, o mar tinha um toque mais que a conta e a maré descia a bom ritmo, chego a praia aqui mesmo a porta de casa, e estava cheia de malta, o tal sitio que ninguém gosta e dizem que não presta era meu, adoro o tal sitio que nunca dá nada ou tem isto e aquilo, por norma é o sitio mais comodo e mais perto do carro, ahahahah, é incrível como certos spots ficam conhecidos como não prestarem, se nunca lá pescaram, todos os spots tem os seus dias e os maus também, mas pronto...
Ainda bem que ninguém gosta deste pedaço de areia, foi o tal que saltaram 2 de 5 quilotes um dia destes, se calhar não presta para as varias, sargotes e robalotes, mas para barrotes é bom:) 
Cai a noite e safo o chibo com um jeitoso robalote de 1.300Kg e uma variazeca já aceitável, a maré estava seca e o mar com o tal toque forte que embrulhava as pescas todas.

Eram 6 da tarde e levava uma horita de pesca, sabia que a maré era cheia só à uma da manhã e as condições difíceis juntava-se o vento ao inicio da madrugada, penei ali 5 horas até às 11 da noite sem sentir um peixe, quando o vento norte aparece mais cedo e entra forte e desconfortável, a sorte por aqui é que a areia é grossa e não chateia, os muitos companheiros de pesca começaram a pisgar-se com uma rapidez que a meia noite a praia era só minha no spot que não dá nada.
Pensei para mim em abandonar o barco, mas a maré cheia com aquele fundão cheio de espuma e já com condições de as pescas aguentarem por traz do quebra cocô fizeram-me fazer uma cova na areia e deitado de lado suportei a nortada durante uma hora.
Fui a Net ver o windguru e a nortada era para ficar, resolvi arrumar o material, as condições estavam mesmo duras, mas quem me conhece sabe que eu batalho e sei esperar, e fui arrumar uma cana sempre na esperança de apanhar um peixe.
Cana arrumada e o vento cada vez mais forte, as canas embalavam com o mar forte e com vento sempre aos saltos, nunca mais que esquecerei desta imagem, varejavam feitas loucas, quando uma vareja, verga e salta, vareja verga e salta, nunca pensei de ser peixe, mas fui lá ver o que se passava, mais para arrumar do que na esperança de ter lá um robalote.



Recolho a cana com o peso normal, pensando que tinha tido uma alucinação de tal vergarde-la e varejamento, eheheheheh, olho para as isca que mesmo no escuro se viam que estavam intactas, quando ligo a lanterna e vou tirar a isca para arrumar o estralho reparo que o anzol estava no estado da foto de cima.
Para poupar material e uns euros este magano era de uma marca manhosa e bastante barato, apesar da sua aparência bruta , não suportou tal picada do tal tarolo, ( pensei eu ) lol.
Este anzol fez-me aguentar e saber que tinha chegado a hora de reforçar as iscas e pimba lá para traz do quebra cocô.
Voltei a montar a cana que já estava no saco e o vento por milagre para e fica uma noite de luxo, eu nem acreditava, pois o Windguru dava 25 nós de vento a partir da meia noite e era 1 da manhã e nem uma brisa soprava.



Sou brindado com um lindo robalo já acima dos 2 Kg mal o vento parou, no tempo de tirar foto, iscar e lançar tiro outro de 1,200 kg, foi bom penar o peixe apareceu onde nunca aparece:)
Tinha a pesca feita às 2 da manhã e às 8 da matina tinha que entrar ao batente, sou duro mas não de aço e descansar ai uma 3 horitas para mim é bem bom, direta já o fiz e não é igual.
Meto a fasquia até às 3 da manhã e nisto outro bom peixe nas unhas, uma boa luta deu este lindo robalo já a caminhar para 2 quilotes.




A arca estava aficar linda, prateados e cumpridos bonitos e de boa bitola, tal como eu procurava.
Mais uma picada e mais um de quilo e tal, tudo peixe feito e bonito.




Duas postas de robalote escalas no forno, um petisco e tanto.
Já era hora de arrumar as tralhas, para poder esticar as pernas para estar bem fisicamente para mais um dia de trabalho, quando fecho a jornada com um lindo sargo a queimar um quilo, cereja no topo do bolo, soube bem aguentar e saber esperar por a hora certa, só assim se pode ganhar conhecimento para fazer boas pescas, mais que a pescaria este dia percebi que afinal os outros 2 barrotes não saíram por acaso e começo a ganhar conhecimento para futuras capturas, é uma questão de saber espera ;)



6 peixes 8,5 Kg, é disto que procuro na escuridão gelada, apesar de ter feito pescas melhores este ano, esta por ser à porta de casa teve um sabor especial, principalmente depois de aguentar 2 horas à ventania e mais 5 horas sem uma picada.
Boas fainas.











quinta-feira, 10 de maio de 2018

Primavera gelada

Viva malta.
Com a primavera ai, o frio não tem arredado pé, quem me conhece e segue aqui no blog, sabe que por esta altura, faço a pesca que tanto adoro, sargos a chumbica, mas este ano com o clima todo trocado, foram poucas as vezes que houve condições para atacar, então a época robaleira também foi um pouco mais comprida.
Para mim tem sido uma época de sargos muito, mas muito fraca, coisa que não me preocupa muito, pois os anos são todos diferentes e temos que nos adaptar da melhor maneira para indo fazer umas capturas.
Um bom robalo apanhado no meio de uma noite gelada.
 

 
A seguir a este veio mais um dos jeitosos
 
Já madrugada dentro a arca estava bonita e era mais que suficiente para fazer umas refeições.
 
Como vivo entre o Alentejo e o Algarve, volta e meia há petisco com os marafades.
 
E vá caldeiradas
 
De vez enquanto também é preciso uma carninha
 
Com um spot destes, nem custa levar uma chibata.
 
1º dentuças do ano a chumbica
 
 
Aproveito para vincar e alertar, para termos atenção ao lixo que se deixamos nos pesqueiros, um dia destes chego a uma ilhota e estava lá uma manta de plástico, sim uma manta tal era o tamanho do saco, faz confusão como é que alguém tem coragem de deixar uma coisa daquelas ali e não lhe pesar na consciência, o que custa trazer de volta o lixo que fazemos? isso sim devia ser punido com coimas elevadas, para não falar do lixo que se vê em todos os cantos aqui em Sines...
Até breve.