sábado, 10 de novembro de 2018

Dias de chuva

Com dias de inverno chatos, nada como animar a malta com um post.
Nestes dias é que me dá prazer, no quentinho postar umas fotos e uns peixecos, para distrair a malta que tem o vicio do mar.
Como já referi anteriormente, foi uma época sargueira fraca como tudo, mas claro que quem tanto procura, vai encontrando uns redondos à seria.
Nestes últimos dias de calor, dei apenas com 4 sargos, mas dos bons, os 4 deram 5kg.
  
Como também tem sido habitual, tenho mostrado os sítios que tenho visitado ultimamente, e fui a Turquia com um objetivo de visitar o interior, árido e conhecido da Kapadocia, para fazer um voo de balão que é muito popular naquela região.
Esta zona, da Turquia era um ponto de passagem na rota da seda, 97% da Turquia é Asia, e a única passagem terreste para a Europa, nesta zona ( Anatolia) faziam e ainda existe muitas vilas dentro das montanhas, autenticas cidades subterrâneas, para se defenderem dos muitos invasores que por aqui passavam.
 
Todo o cansaço e desgaste desta viagem é recompensado com um voo destes, qual cidades e monumentos, respeito quem goste, mas a natureza para mim é a grande riqueza.
 
 
 Por cá o verão foi quente e bem aproveitado, praias destas a porta de casa, sem quase ninguém é um luxo hoje em dia, e por aqui ainda é possível:)
 
Já fiz umas lulecas no barco de um amigo, petisco que adoro.
 
 
Uma vila nas chaminés de fadas ou pirâmides de terra, grande colunas naturais em forma cónica.

 Estes voos são sempre realizados na madrugada, devido ao vento inexistente e pouco provável desta região, ao qual é muito seguro o voo de balão, umas das melhores experiências da minha vida acreditem.
 
 Aqui não temos chaminés de fadas, mas temos a costa alentejana, com formatos muito engraçados de rocha, ao qual eu me divirto na captura de dentolas.
Não é a Nina é a KiKa, a minha outra cadelita, mais novita, que foi abandonada duas vezes por dois anormais diferentes, que descartaram-se dela( não percebo, um descarta-se, outro salva-a, depois faz o mesmo), não sabia ladrar, subir escadas, ir a varanda nem ir a rua fazer xixi, agora come sargos vai a praia e é feliz, demorou 2 anos a adaptação, mas venceu os seus obstáculos.
Como comecei é como vou acabar.
Com os sargos gordos, boas fainas.
 
 


sábado, 27 de outubro de 2018

Verão, pesca,surf viagens e diversão.

Ola malta.
O verão tardio veio na boa altura, aquela que me deu mais jeito por acaso, para ir aproveitando para fazer muitas coisas que realmente me dão prazer, todos nós temos as nossas vidas preenchidas, uns com umas coisas outros com outras, mas com trabalho, esforço e com muita estratégias de logística vai-se aproveitando os momentos da melhor maneira possível.
Este verão relatado aqui em imagens, parece que estou sempre de ferias, mas não é bem assim, 24h por vezes dá mesmo para muita coisa, não dá é para dormir:)
 
O Rochedo Gibraltar
 
Claro que sempre que pode, peguei na prancha para apanhar alimento.
Sargos jeitosos para a grelha neste verão foi um luxo;)
 

 
Despesas 0 Euros, produtos da terra do vizinho, os meus sargotes e vinho do amigo Marinho.
 
Eu e o amigo Pedro Lobo do Mar nesta noite, que já era manhã ainda estávamos frescos que nem alfaces, o que é uma noite de cervejas para nós, que aguentamos uma noite de 0 graus na deserta alentejana ou nas falésias algarvias:)
 
 Val Vaqueros ( Tarifa ) Andaluzia
 
Uma lenda, vão ser estas ondas alentejanas perfeitas de São Torpes, aproveita-las antes de desaparecerem ...
 

Mais uma ilhada produtiva, no meio de umas chibatas a mistura, neste dia ainda trouxe um brinde no meio dos sargos... peixe fresco para a semana:)
 



A uns dias estive na Turquia, percorri o país e aqui nesta ponte (Galata) no Bósforo em Istambul,

famosa por ser o sítio que junta mais pescadores em todo o Mundo e é a única que divide uma cidade de dois continentes, Europa e Ásia.
A maior cidade da europa Istambul com 14 milhões de habitantes, neste 500 metros de ponte que na foto só se vê um quarto da mesma, pesca-se ombro a ombro na captura de tainhas, garantidamente, mais de mil pescadores em média diariamente por aqui, já a conhecia pela televisão mas ao vivo é uma coisa indiscritível, acho que nunca mais vou me incomodar de ter um pescador ao lado futuramente, ahahahahahah.
Boas fainas.
 

 
 

sábado, 13 de outubro de 2018

Dourada de verão.

Viva pessoal.
É nestes dias ventosos que por vezes gosto de fazer um post, a malta esta em casa a espera do furacão previsto sem projetos de pesca e saídas noturnas e assim entretém-se a ler uma pescaria.
 
Aqui por Sines ele já sopra bem e certamente vai levar umas telhas mais frágeis, não me lembro de ver tanto vento nas previsões, espero que não aconteça nada de mal.
 
Num dia destes quente, fiz a melhor pesquinha deste verão, comecei a aproveitar uma choupas xl e uns sargotes palmeiros que neste verão eram um luxo, tal a escassez dos mesmos, a mare enchia e já tinha ali 4 quilotes de peixe para a grelha, a coisa acalmou e já com a maré quase cheia comecei a dar com uns belos sargos acima de meio quilo, era ouro neste verão chibateiro, quando ferro um belo que me deu uma luta daquelas.
 
 
Depois de a cansar durante um bom bocado, e como estava a pescar numa pedra bastante rasa, contornei a ilhota e nas costas das mesma com o mar bem mais calmo deitei-a na pedra com bastante tranquilidade, pois o anzol via-se mesmo que vinha pelo beicinho, se aperta-se um bocadinho tinha a perdido.
Das 3 espécies rainhas da nossa costa, a dourada é aquela que tenho record mais pequeno, 2kg, estas não bateu o record, mas foi a maior que tirei a chumbica ao sargo, 1.700Kg fiquei muito satisfeito e considero o melhor peixe que tirei este verão, pela sua raridade nas minhas capturas.
 
 
É neste dias paradinhos que gosto de pescar ilhado.
Depois de tirar esta linda dourada, ferrei mais uns sargos bem bons, o pesqueiro estava quente, mas tive que pesar o peixe para ver se poderia continuar a faina, acusou 10.700kg e dei por terminada a pesca, a única vez que cheguei aos 10 kg de peixe este verão...
 
 
Os sargotes maiores já merecem um calor no forno, escalados ou aos cortes ficam um mimo:)
 
 
A minha cadelinha mais velha Nina , a caminho dos 15 anos, já nem sente a areia do nariz, mas como come sargos e carapaus tem uma saúde de ferro:) e claro os mimos também ajudam a sua  longevidade.
 
 
Boas fainas.