sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Os sargos finais

Boas amigos.
O ano novo está ai mas o post ainda é do ano velho, pois este ano o mar não me tem deixado pescar onde sei e gosto.
Lá vem sargos do Outono, não são muitos mas o quanto baste para me alimentar com qualidade durante uns dias, coisa que  eu prezo mais enquanto pescador, comer bem com qualidade, frescura e muita vitamina com proteínas que o peixe tem, a juntar uns belos legumes que o meu vizinho me oferece e o sogro me dá, claro que em troca eu ofereço uns belos sargos par  a grelha, faz-me lembrar aquele tempo que as pessoas trocavam bens por bens sem dinheiro a mistura, nem sabem o prazer que isto me dá, sem precisar de sair de casa.
Dos sargos que dou, recebo laranjas, couves, alhos, cebolas, batatas, feijão verde, limões, aboboras, tomates, etc...etc...  
Esta pesca foi feita debaixo de um sol gelado num dia gelado com água gelada,  foi mesmo a ultima ilhada do ano em pleno dezembro...
Uma boa teca de peixe que deu  para fazer aquilo que já sabem, boa comida com zero euros, por acaso já tenho saudades de apanhar uns redondos em cima da pedra, que gozo que este tipo de pesca me dá.
 
 
Se tivessem o rabo inteiro não ficavam mais bonitos no forno??? Fdx que leis de merda.
Os meus pesqueiros do polvo este ano foram uma desgraça, mas também não insisti muito na sua procura por vários fatores que me tiram a vontade de fazer uma coisa que eu adoro, há sempre um desconforto na sua captura, pois se sinto um polvo num buraco não sei quanto pesa como é obvio, depois de o espetar e saca-lo do buraco se não tiver 750gramas solto o animal, se tiver uma balança pendurada em cima de mim para o pesar claro, mas este furado acaba por morrer mesmo solto, isso não me dá pica nenhuma, quando um arrastão mata milhares de  polvinhos bebes e nada lhes fazem.
Mas para o Natal consigo aproveitar sempre algum polvinho, fica aqui o petisco.
 
Eu e o Marinho bem já tentamos uns robalos mas eles não querem nada, somos uns desgraçados.
Bom Ano 




 
 
 
 

sábado, 30 de dezembro de 2017

Bom Ano

Viva pessoal.
Para acabar o ano, nada melhor que apanhar uns peixinhos diferentes da marca sargo, esse peixe chamado Dourada, dos três reis da nossa costa é aquele que menos apanho, mas isso é agora, pois antes de ter o Blog fiz pescas de sonho às Douradas, peixe que dava com frequência devido aos pesqueiros que frequentava e que tinha acesso, pois agora são proibidos, como quase tudo com o tempo vai sendo privado aqui em Sines:(


Fica as fotos de uns peixinhos bons para a  grelha, forno e massinha...
Pois estes peixes deram para fazer umas boas refeições e também para desenjoar da sargaria.

Foram varias as espécies, todas elas do meu agrado e bem aproveitadas na arte culinária.

As maiores já deram umas boas lutas.

Para acabar o ano, só podia deixar a foto de o melhor exemplar de sargo que apanhei este ano e na vida, um peixe que é imagem de marca do meu blog e que finalmente passou a fasquia dos 2 kg.



sábado, 16 de dezembro de 2017

As ultimas ilhadas

Viva pessoal.
Com o Outono a dar as ultimas, os dias bons para a minha técnica de pesca continuaram a aparecer a bom ritmo, e quando consegui lá fui eu molhar o fato.
Desta feita optei por mudar de pesqueiro, pois era uma maré muito grande para voltar a pedra dos últimos dentolas, também gosto de apanhar  e experimentar vários spots que ninguém habita,  essas experiências  tem me dado um leque maior de pesqueiros onde consigo fugir e isolar-me de pescar com mais alguém com sucesso, claro que o meu amigo Mário por vezes me acompanha, onde a presença dele nunca é demais.
 
 
 O lote não foi quileiro, mas foi muito bom, sempre material deste não me enjoava, o frio era mesmo muito, depois de ter  já uma pesca bem boa, não insisti muito e pirei-me,  era inicio da semana e tinha peixinho suficiente para a minha dieta.

 
 
 
 Com a chegado do frio, já procurei  outras espécies e já vai dando sinal qualquer coisa, como estas navalheiras XXL .
 
 
 É pena não conseguir mais fotos de surf, sozinho não é fácil, no verão já é outra história, mas continuo a apanhar as minhas ondinha para treinar e divertir-me.
Um tema grave é o aumento do molhe leste aqui do porto de contentores em Sines (aquele molhe que por vezes se vê nas fotos minhas a surfar) para aumentar o cais de descarga, o que vai fazer uma redução nos meus cálculos de 70% mais ou menos das ondas em São Torpes, praia única de acesso fácil e qualidade de ondas beach break, um atentado a natureza e ao surf em prol da Industria e desenvolvimento do país, mas será que mesmo hoje num dia frio e ventoso, as dezenas de surfistas que estavam lá , muito deles estrangeiros, também não desenvolvem a região (turismo).
 
 
No Hawai e Austrália vive-se do surf e turismo, Portugal é o país da Europa com melhores ondas, para não falar que recebe as 3 provas mais importantes da WSL (World Surf League)coisa rara em outro país no Mundo, Temos a Nazaré (Reconhecida como as maiores ondas do Mundo) Ericeira (reserva mundial de surf) Peniche ( Super Tubos, ondas com características perfeitas para a prova rainha do surf mundial)
Acabo com o Litoral Alentejano e Parque natural da Costa Vicentina, claro que de norte a sul há ondas para todos os gostos, mas Alentejo e Algarve são um diamante de spots de surf em plena natureza com um valor patrimonial incalculável, São Torpes é a porta de entrada nesta rota de surf com condições de gala para principiantes, surfistas médios e profissionais, merecia mais respeito deste políticos anormais, na vida nem só o dinheiro é importante...
Que saudades do meu  Alentejo Litoral de a 30 anos atrás...