sábado, 18 de setembro de 2021

Verão 2021

 Com o  verão no seu fim, acredito que virá ainda muito calor no Outono, verão esse que foi regular na captura de sargos, nada como o ano passado, mas foi positivo, não foi mais produtivo porque a nortada não deu descanso este ano por aqui, o que acaba por dificultar este estilo de pesca que pratico e gosto tanto.

A pesca que relato, foi uma manhã que quando chego a falésia para ver onde iria ilhar, tenho uma supressa nas condições do mar, o 9 de período com 0.7 de mar que tanto me satisfaz, na realidade era quase o dobro, o Windguru por vezes falha um bocadinho, nada como ver mesmo o mar.

Como o dia de Verão era um dia de Inverno, resolvi fazer uma ilhada fora da minha zona de conforto (Costa Norte) e rumo a (Costa Sul), um bocadinho antes de Porto Côvo, uma pedra que pesquei muito em miúdo, mas de maneira diferente, pescava ao fundo, num fundão de rocha que era rico em safias boas e por vezes sargos, essa ilha com mar, agita o fundão e aparecia uns peixes.

Como sempre nas minhas ilhadas, pesco com o que a pedra me dá, em 20 minutos apanho a isca, que por norma é percebe, por vezes faço umas mistas com ova de lapa e percebe que dá por vezes uns belos sargos, ia mesmo a procura de apanhar umas safias 300,400 g que são muito saborosas na grelha, a pescar com 3 gramas lanço para o fundão, e neste pesqueiro vai-se dando pequenos toques e espera-se com alguma paciência, pois a agua costuma estar tapada por aqui.

Levo um puxão valente, que como estava distraído, nem estava a espera de tal pancada, volto a reforçar a iscada e atenção, que valeu uma ferragem alta e cana a bater.


Uma Douradinha boa e eu a procura desafias, nem eu espera esta magana.

Quando eu pensava que poderia apanhar outra, apareceram então as safias, depois de apanhar 4 para a grelha jeitosas, chegava e sobrava para aquilo que queria, e fui explorar uma parte mais rasa da ilha, que a uns anos tinha rendido uma pesca boa de sargos.

E não falhei, da meia dúzia que senti, apanhei 3 belos sargos, um ultimo já na casa das 900g, o que me fez por dar terminada a pesca, tinha peixe para comer nos próximos dias.

Uma pesca bastante agradável num sitio, que foi uma escola de pesca para mim em miúdo.

Como no verão é habito rumar para Faro, que é a minha segunda casa, devido ao Covid apenas fiz uns petisco na casa (terraço) do Lobo do Mar, espaço esse arejado e ao ar livre, para não ficar de consciência pesada com a merda deste vírus, foi mesmo exceção a regra em convívios, o amigo Pedro ofereceu-me uns lingueirões da ria e eu depois da praia, dei asas a minha imaginação na cozinha, que é outra coisa que gosto de fazer.


Caril de lingueirão

Lingueirão com tomate natural


O sargueta a mamar um carapau grelhado, só falta o copo de tinto.


Boas fainas.



terça-feira, 18 de maio de 2021

De volta ao meu normal

 Ola pessoal, no ultimo post apresentei o meu amigo sargueta, para quem duvidava que ele patrulhada aqui a rua e dominava o pedaço, não há duvida que ele encara os problemas de frente, e para ele aparecer com a tromba assim, imagino o desgraçado que lhe fez isto, neste momento recuperou o olho e nem coragem tive de tirar uma foto tal era a marca de guerra, mas com muitas latinha e uns sargotes já está quase fino ,eheheheheh

Tive o prazer de tirar a primeira Dourada do Ano à chumbica, com uns sargos jeitosos a mistura lá se compos a rede em mais uma faina.


A muito que não rumava a terras Algarvias por causa da pandemia, mas no outro dia tive mesmo que ir, e o meu amigo Lobo do Mar, ofereceu-me uns leigueirões do quintal dele, deram logo para fazer um belo petisco.

Dou muita importância a minha alimentação, o meu vizinho brinda-me com grandes petiscos da sua horta.


Uma dose de sargo a minha maneira

Não me custa nada manter o peso:)


Boas fainas



domingo, 25 de abril de 2021

Época de sargos

 Ola pessoal.

Com a Primavera ai, já comecei tarde a época dos sargos, pois gosto muito de atacar na minha pesca favorita, nos finais de Fevereiro inicio de Março, pois é nesta altura que faço as melhores capturas em termo de peso por peixe, muito sargo na casa de 1kg , mas devido à porra da pandemia, a época veio atrasada, mas ainda fui a tempo de apanhar uns bons dentolas, com o final de Abril, começam os quileiros a ser menos e muitos deles magros, pois acabaram de desovar e veem pele e espinha.


Com a Primavera vê-se a natureza ao rubro, muita passarada anda por ai num frenesim doido :)

Como não pode faltar nesta altura do ano também, são as iguarias da horta do meu vizinho, nada como uma manhã a descascar favas para futuras favadas com entrecosto e linguiça, prefiro passar uma manhã de Domingo a descascar favas do que no telele a perder tempo.


Bem como disse, sargos no meu prato não faltaram, quase 3 meses sem comer peixe de qualidade fresco, à 3 semanas que faço uma refeição de peixe diariamente, é cozido é forno e na grelha, só agora é que estou a começar a enjoar um bocadinho :)

Sargos e sargos, é o prato do dia.


A meio da preparação para ir ao Forno, ainda apanhei uns gordos e ovados.


À posta cozido com legumes.


Na grelha, a minha maneira preferida de desgostar um sargo, e nem é os grandes, são mesmo aqueles na casa de 400,500g que eu considero o melhor para grelhar.

 

Os corvos marinhos Alentejanos a descansar numa pedra ilhada.


Hoje acabo apresentando o meu amigo Sargueta, que tirando uma sova que deu a minha cadelinha e umas quantas arranhadelas e dentadas que levei, o gajo até gosta de mim, lata não lhe falta, personalidade também não, à 3 anos atrás apareceu aqui na minha rua, totalmente esfarrapado, e depois de comer muita sargueta cozida que eu lhe confecionava diariamente o sacana adotou a minha Rua para morar, que estranho não é! batizei-o como SARGUETA.

 Cama num quintal de um, WC no quintal de outro e restaurante na casa do careca sargueiro, força não lhe falta para ir as gatas a noite, para não falar que é líder e chefe da Rua, não é a primeira vez que o vejo a dar porrada aos cães que aqui passam, a minha cadelinha já sabe, pode-lhe bater, mas depois está uns mês sem sargos e aproximações, eheheheheheh, a flor é dele, se a quiser regar, só quando ele acordar, grande peça mesmo, isto si é um gatarrão à seria.

Boas fainas.

domingo, 4 de abril de 2021

Bons momentos

Ola pessoal.

Hoje vou postar umas fotos e resumir o mais breve possível  o que elas significaram para mim, a horas de desconfinar , amanhã o meu almoço será sargo se tudo correr bem, será um dia normal, com peixe na brasa fresco, apanhado , amanhado e assado por mim, uma coisa tão simples...que me deixará com um sorriso na cara.

Se já queriam distanciamento social, arranjei uma maneira de ir a praia, descer a Vila, pegar no barco e fundear na praia do Vasco da Gama, mesmo ao lado da Marina, aquelo eco das gaivotas e umas loirinhas geladas com amendoins, este ano é pra repetir certamente.

O meu primeiro dia de ferias, foi na vinha do meu amigo Marinho, ao lado da Casa da Ermelinda de Freitas, debaixo do sol escaldante ajudei o meu amigo a tratar da vinha, depois do trabalho uns sargos grelhados a maneira do Sr Diamantino (pai do Mário) com um Rose gelado caseiro a acompanhar, arregacei as mangas, fui apanhar os tomates para fazer uma super salada, que acabou com os melões da horta como sobremesa, fica na memoria este convívio, com trabalho a mistura.


Depois de apanhar uns percebes para o lanche, e para iscar, tive mesmo para me pirar, tal era o mar bruto que estava neste dia de verão quente, a ilha escolhida, com 2 a 3 horas de enchente ia se tornar perigosa, o período grande, dava-me algum desconforto, não conseguia pescar para os pontos quentes que conheço tão bem, restava-me pescar para partes mais fundas, habitadas habitualmente por safias e caralhetes, mas neste dia, havia peixe, mas que peixes, em 40 minutos, fiz 7 sargos e 3 douradas (record a chumbica de douradas) fiz 8,5kg de peixe, tudo peixe de 700 a 900g tirando a douradinha maior de 1,300kg, para uma ilhada de agosto, também ficará na memória.


Pesca muito bonita, que agora me arrependo de não tirar uma foto mais bonita no pesqueiro, pois os sargos eram lindos também, mas o mar traiçoeiro fez-me fugir a pressa.


Dia quente de verão, na minha praia preferida, ondinhas divertidas, água boa e poucos surfistas, não procuro grandes ondas, com a idade, procuro tranquilidade e a não necessidade de disputar ondas no pico.


Praia de São Torpes, um banco de areia fazia rolar direitas longas, rápidas e divertidas, enchi a pancinha neste dia.


Não há  nada melhor, que um dia de verão com ondas e calor.


Curtir, curtir e mais curtr.


Lá está o careca armado em tubraider, eheheheh


Pescar ao lado do Fundeador de Navios, é ter sempre uma faca a mão e ligar o motor, que o diga o meu amigo Magrinho que ia sido varrido por um, que susto apanhou ele.


Uma pesca perfeita de barco, novato nesta vertente das douradas, já vou dando com algumas, época curta devido a pandemia, ainda fui a tempo de apanhar umas boas douradas, neste dia depois de fechar a cesta com um belo sargo, entrava na casa dos 10kg e tive que ter coragem para voltar a Marina com o peixe debaixo do barco...

Uma coisa que tem deixado triste é ver ditos profissionais da área da pesca aqui de Sines, continuar com as mentes atrasadas a continuar a fazer lixo a descarada, o que vi nos últimos dias, nos dias que correm, com informação toda que temos, é gritante a falta de civismo e respeito com a natureza, que lhe dá o dinheiro para eles viverem, muito triste mesmo.

Agora já posso dizer, boas fainas.








domingo, 21 de março de 2021

Saudade da brisa do mar

 Olá Pessoal.

No meu caso, até tenho levado com alguma maresia, tenho o privilégio de a conseguir sentir, vou relatar uma pescaria , a ultima feita com o meu amigo Marinho, a long time ago, uma ilhada bem curtida por nós os dois, dia quente de verão, pranchas na água com nevoeiro serrado matinal e toca de remar, saltamos para uma ilha e caminhada na mesma para entrar novamente na água para remada final até ao destino que poucas vezes vamos lá, pois é preciso mar mesmo manso para pescar neste pesqueiro de excelência aqui de Sines, ilha longe e só mesmo os locais percebem qual o mar e maré que dá para estar lá descansado e não ter dissabores.


Conto esta história, pois está bem fresca na memória, apenas tenho uma foto desse dia, mas queria registar esta ilhada com o meu amigo Mário, pois já dá saudades fazer um dia de pesca com ele, sempre boa onda, tranquilo e quando nos juntamos os sargos até voam, eheheheheh, fazemos uma equipa forte se não dá um com eles, dá o outro e é raro não trazermos bons sargos, pois vamos falando e quando um acha o sitio que eles estão a mariscar, dividimos as capturas, a partilha de informação nesta pesca torna-a ainda mais produtiva.


Primeiro fomos apanhar uns percebes unha a unha, daqueles perdidos de excelente qualidade, esta pedra tem marisco de excelência, mesmo numa altura que já passaram lá muitos mariscadores (meio do verão) com calma apanha-se bom marisco, eu pessoalmente vou mariscando e aproveitando a escolha (percebe mais pequeno que veem junto aos maiores) para iscar, tenho uma bolsinha de cintura que estando cheia, dá para fazer a pesca ao sargo.

A foto de cima é a tal do dia da história, eu tenho mais prática do que o Mário, e enquanto ele preparava o material, com a mestria dele, eu estiquei a minha cana sargueira pré histórica, chumbica de 3 gramas empato um anzol e vá de começar a procura deles.

Disse ao Mário, despacha-te que eu faço 10 kg e vou embora, ahahahahah, e não espero por ti, 6 lançamentos 6 sargos daqueles palmeiros da grelha, se o Marinho duvidava que eu faria 10 kg e pirava-me, mudou logo de ideia e começou logo também a virar neles, com a maré a subir começaram a entrar uns dentuças quileiros de respeito, ambos fizemos belas pescas, o Marinho para mim fez a melhor pesca do Ano dele, apanhou um lote de sargos espetacular, comprida a lei, lá viemos os dois com a cota de sargos permitida por a mesma.


Neste dia deixei fugir uma boa dourada, depois de a cansar e ter conseguido a puxar para a parte traseira da ilha, ela já deitada na pedra de lado, desferrou e veio uma chapinhada de mar e lá foi a vida dela , no dia seguinte apanhei uma, e juntei na grelha a umas cavalas escaladas ( que eu adoro ) tem que ser é acabadas de apanhar.

Muito peixe eu comi este verão, quando o mar está forte e predomina o vento norte por aqui, o que costuma ser as vezes uma semana seguida, pego no barco e com um aparelho apanho uns carapaus e umas cavalinhas só mesmo para a grelha, bem falando em barco o gajo já deve ter os pneus em baixo de não andar, eheheheheheh, bem não vou falar da pandemia, senão vou chamar nomes a DGRM, que é como fosse uma mãe a abandonar o seu filho ou pior, deixa-lo num caixote do lixo abandonado.


O careca a tentar fazer tubos onde eles não existem, ahahahahahhaha, está praia é mítica, surfar aqui no verão é sempre um prazer onde me faz recordar a juventude, amigo Cris, a praia onde surfamos quando vieste cá no verão, faz umas fotos giras com as ilhas lá atrás :)

Quando finalmente organizei a minha vida e arranjei condições para ter um barquinho, tive que fazer uma cirurgia, que me condicionou, este ano foi o que foi, com os confinamentos mas o barco é mesmo para esta lulas Xl que aparecem aqui em Sines no inverno, Novembro fiz uma semana de luxo, mas foi mesmo essa semana em 2 Anos que pesquei livre, bem fisicamente e com tempo, depois há aquele pessoal que me pede para os levar as lulas, fdx mal eu consegui ir quanto mais levar alguém, fora a despesa que tenho, para o ter estacionado, ainda por cima esta marina é do estado, o que custa ainda mais :(


Para acabar, mariscada diversa, não poderia faltar.

Gostaria de dizer que está quase, mas já perdi a esperança, saúde e paciência para todos.